Problemas com a agência NaOnda

Realizei reserva de hospedagem na Pousada Recanto. Conforme informado na reserva, teríamos direito ao transfer de chegada. No aeroporto de FEN, fomos direcionados ao receptivo da empresa NaOnda, a “parceira” da pousada em que estávamos hospedados.

Infelizmente, tivemos problemas com a falta de educação dos funcionários da empresa, a guia do receptivo, o motorista e a representante no passeio de barco. NÃO FECHEM PASSEIOS COM ESSA EMPRESA, pela história que vou relatar abaixo:

Chegamos no domingo, dia 1º de abril. No caminho da pousada, a guia Amanda alertou os passageiros sobre um swell que chegaria à ilha na quarta-feira, sugerindo, portanto, que todos agilizassem seus passeios, pois depois de quarta algumas atividades estariam prejudicadas e a agência já não tinha mais vaga para vários passeios. Segundo Amanda, essa informação fora obtida na Marinha do Brasil.

Éramos 4 pessoas pela primeira vez em Fernando de Noronha. Mesmo um viajante veterano ficaria um pouco assustado com o azar que levou de programar sua viagem bem na semana desse fenômeno. Em princípio, a guia local tem mais informações para programar os passeios do que o viajante recém-chegado. A ilha é pequena, então certamente não teria muitas agências. Somado às notícias publicadas do swell de março, a preocupação virou susto. Muito provavelmente, era bom agilizar os passeios mesmo.

Uma amiga do nosso grupo questionou como era a trilha do Atalaia e se havia banheiro. A guia respondeu, de forma ríspida, que se a moça queria banheiro deveria buscar outro passeio, pois a trilha era um passeio na natureza. A civilização já tinha avançado demais na ilha e as coisas deveriam ficar como estavam. A questão proposta não era essa, mas, sim, para se ter noção do preparo necessário para a trilha: quanto de água levar? se a pessoa não está muito bem do estômago no dia? Se a pessoa tem alguma dificuldade e precisa de um socorro? A própria guia percebeu a grosseria e tentou consertar falando mal do ICMBio.

Chegamos no final da tarde de domingo, então optamos por fechar o Ilha tour para segunda e o passeio de barco para terça com o NaOnda. Assim, já estaríamos com passeios definidos para os dois próximos dias e não precisaríamos sair correndo atrás de uma agência nem ficaríamos com a segunda perdida pela busca de passeios.

Segunda-feira, a agência não veio entre 8 e 8:30, conforme combinado. Perto das 9h, o motorista veio informar que o carro da empresa estava quebrado e não seria possível fazer o ilhatur, então seria possível fazer o passeio de barco na segunda e o ilhatur na terça. Optamos por um tour geral para conhecer a ilha no primeiro dia, mas aceitamos a proposta. Às 9 da manhã, seria mais difícil conseguir outro tour.

Na volta do passeio do barco, uma das meninas do grupo não estava muito bem. Várias pessoas do barco passaram mal. Algumas pelo mareo, outras pelo cheiro de diesel que voltava. O barco era pequeno, o passeio foi bom, mas, na volta, vinha muito cheio de combustível queimado para dentro da embarcação. Enquanto esperava o carro, ela foi ao banheiro e comprar um água. Quando o veículo chegou, o motorista queria partir sem minha amiga. Falei que era para aguardar um minuto, pois ela estava no restaurante em frente. Ele começou a pressionar para sairmos. Tive que responde-lo para esperar. A empresa atrasou quase 1 hora para nos pegar e não poderia aguardar 5 minutos uma passageira?

Durante o passeio de barco, alguns passageiros comentaram que o carro tinha quebrado no passeio deles (no domingo). Revelei também minha indignação para a representante da NaOnda Yasmin dizendo que eles já sabiam que o carro estava quebrado no domingo e, mesmo assim, venderam passeio para segunda-feira. Ela fechou a cara e depois veio esfregar o WhatsApp com mensagens de que o carro só tinha quebrado na segunda mesmo, por isso o atraso. Posteriormente, um funcionário falou em 2 carros quebrados e a guia do receptivo em 3.

A questão era que se a empresa está com algum carro quebrado – não importa quantos – ele deve se preparar ou não vender passeios. Em viagem, temos que ser flexíveis e superar imprevistos, não era a troca dos passeios que nos chateou. Entretanto, fizemos algumas concessões à empresa (troca dos passeios, atraso) e o motorista não poderia esperar 5 minutos por uma passageira? Fica a pergunta: se ele tivesse a deixado no restaurante, o que iriam fazer? Voltá-la buscar depois?

A funcionário Yasmin se revelou totalmente despreparada, pois, em vez de desdramatizar a situação, quis me enfrentar, tentando provar uma situação irrelevante para o cliente.

Não havia mais clima para continuarmos a fazer passeios com o NaOnda. Perdemos a confiança na qualidade do serviço deles. Solicitamos, então, o cancelamento do ilhatur para a gerente da empresa. Na noite de segunda, a guia Amanda me mandou um whats perguntando em tom pouco amistoso o que tínhamos ido reclamar. Horas depois, ela apagou a mensagem.

Fizeram o reembolso de apenas parte do valor pago, pois cobraram o valor cheio do passeio do barco. Tínhamos feito um pacote ilhatur + barco por R$ 270,00 = R$ 90,00 barco + R$ 180,00. Como cancelamos, nos devolveram apenas R$ 120,00, pois o barco custava R$ 150,00 fora do pacote. Acontece que não cancelamos por nossa vontade. Ao contrário, tivemos todo o trabalho de procurar nova agência. Cancelamos pela falta de profissionalismo do NaOnda.

Comunicamos o cancelamento na segunda-feira e nos devolveram o dinheiro somente no sábado, poucas horas antes do embarque. Solicitei também a nota fiscal do serviço prestado, mas não nos enviaram. A empresa também não nos enviou essa aviso da Marinha sobre a possibilidade de swell, conforme a guia Amanda disse. Verificando a tábua de mares, não vê nenhuma anormalidade para a quarta-feira, dia 04/04/2018.

Se vcs lerem outros relatos, verão várias reclamações sobre o NaOnda. Não indico os serviços dessa empresa. Se sua pousada indicar esse transfer, só chegue até a pousada.

Fizemos mergulho com as Águas Claras, ilhatur e trilha do Atalaia com o Flamboyant e ficamos bastante satisfeitos.