O seu navegador não é compatível. O site TripAdvisor poderá não ser exibido corretamente.Aceitamos os seguintes navegadores:
Windows: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google Chrome. Mac: Safari.

Panamá Fórum: Estadia em Bocas del Toro e na Cidade do Panamá

Ilhabela, SP
1 publicação
Salve o assunto
Estadia em Bocas del Toro e na Cidade do Panamá

Saímos da Costa Rica, em um vôo da Nature Air, com destino a Bocas del Toro. Na hora de embarcar foi um susto, pois já voei em avião pequeno, em passeios curtos, nunca me imaginei indo de um país a outro em um avião de 12 lugares!! A subida mais pareceu uma montanha russa!! Graças a Deus conseguimos estabilizar sobre as nuvens... A descida em Bocas del Toro é linda, parece que o avião vai pousar no mar... O povo desta ilha é extremamente hospitaleiro. Imagine nossa surpresa quando passando pela imigração, o funcionário nos perguntou onde íamos ficar e em seguida ligou para o dono do hotel para saber se tinha enviado alguém para nos buscar!!!

A cidade de Bocas é bem pequena, então se pode caminhar ou tomar taxi se necessário. Alugar carro é totalmente desnecessário; alugar uma bicicleta ou skoter é bem interessante. A arquitetura em Bocas é de estilo colonial, reminiscente da época de plantação de banana que trouxe à cidade a importante “United Fruit Company”, cuja influência no comércio e agricultura dominaram a região por mais de um século. A sede da UFC se transformou no Hotel Bahia. Muitos dos trabalhadores das plantações vieram da Índia, e esta cultura está muito presente no Caribe, junto com a dos fundadores (Cristovão Colombo passou por aqui em 1501...) e dos indígenas da região (tribos Ngobe, Teribe, Guaymi, Bribri e Kuna). Tenho que ressaltar que o estado de conservação desta arquitetura não está lá grandes coisas... Longe de uma Key West, por exemplo...

Ficamos hospedadas no Koko Resort, onde os chalets ficam sobre o mar – Imaginem a delícia que é dormir neste lugar!!! (reserva feita pelo Booking.com) – Está localizado a 15 min caminhando do centro da cidade – Taxi sai por USD 1,00 por pessoa – É isto mesmo, aqui se paga por pessoa, e os taxis vão parando pelo caminho e agregando mais passageiros, é normal... Em nosso hotel, o café da manhã é preparado pelo Jack, dono do hotel, que nos brinda com uma delícia diferente a cada dia – Se ficar no Koko, siga as recomendações do Jack e da Lee, porque elas são preciosas!! Se quiser ficar em um chalet sobre as águas como nós, outra boa opção é o Faro do Colibri, na Ilha Careneros – Fiquei com receio de reservar este hotel, por ficar em outra ilha, mas cruzar de Careneros para Ilha Cólon, em water taxi, leva 10 min, e custa USD 1,00 por pessoa, o mesmo que pagamos de taxi do nosso hotel até o centro.

No primeiro dia almoçamos no restaurante El Limbo over the Sea, bem no centro. A comida é deliciosa, atendimento excelente, e uma vista de nos fazer esquecer da vida... Foi a primeira vez na vida que comi salada de algas marinhas, recomendo!!!!! Os pratos (filet de atum, com salada de algas, gengibre, e arroz com coco / polvo com arroz com coco) custam por volta de USD 11,00.

A maioria dos restaurantes no centro da cidade, tem suas mesas sobre o mar.

No segundo dia fizemos um passeio de barco imperdível !! Aliás, no centro da cidade vocês encontrarão inúmeras operadoras de turismo, oferecendo passeios. Escolhemos a Under The Sea, e gostamos muito do passeio. Saímos por volta das 10 da manhã, o primeiro destino foi a Ilha Perezosos, para ver os bichos preguiças. A vegetação é de mangue, e por si só já é bem bonita. Em seguida fomos à Bahia Honda, com a intenção de ver os golfinhos, mas eles não deram o ar da graça... Dali fomos mergulhar em Cayo Coral. Fiquei maravilhada com os diversos tipos e cores dos corais que encontramos aí. Além de fazer snorkling, fizemos o deep-board, que é o uso de pranchas sub-aquáticas, enquanto somos puxados pela lancha... Pura diversão!! Daí fomos para Ilha Zapatillas 2 – No caminho, nos encantamos com os golfinhos, mas a chegada a esta ilha é algo de cair o queixo – Parece o paraíso perdido!! A cor da água, a exuberância da natureza é de perder o fôlego!! Almoçamos na ilha, porque nosso passeio incluía o almoço. Esta Ilha é um parque marinho, por isto não possui restaurante, pousada, ou seja nenhum comércio. Na volta, paramos para mergulhar em outro ponto de Cayo Coral, onde os corais são bem diferentes, mas não tão coloridos como os de Cayo Coral. Pagamos USD 49,00 pelo passeio, incluindo a taxa de entrada na ilha que é de USD 10,00 para estrangeiros, e o almoço. Pode-se contratar somente o passeio, em outras operadoras, por USD 25,00. Recomendamos a Under Sea. Os monitores Moisés e Agustin são extremamente amáveis e solícitos.

Jantamos no Buena Vista – A vista é linda, pois as mesas ficam sobre a água, a comida é boa, mas achamos que o preço não justificou.

 Terceiro dia : pura adrenalina – Alugamos o quadriciclo com os Piratas e fizemos a trilha no lado leste da Ilha Colón, passando pelas praias Paunch e Bluff – Estas praias são próprias para surf, mas só para os experientes, pois o fundo é de coral, então todo o cuidado é pouco – Os Piratas tem acesso à uma área incrível, onde outros quadriciclos não podem entrar – A trilha no meio da floresta é uma aventura e pura diversão – Dirigir o quadriciclo nas praias também, e o visual é incrível – Há várias trilhas – Uma delas leva à Flat Rock Beach, La Piscina e à Blue Lagoon – Esta lagoa é de tirar o fôlego – Como diz minha filha, o lugar onde a floresta encontra o mar – Aliás, para chegar nela pegamos uma trilha na floresta – Você consegue imaginar andar pela floresta, totalmente cercado pela vegetação, enquanto caminha sobre recifes, corais, conchas... É algo surreal!!! No final da trilha, começamos a ouvir o som dos macacos; um deles estava muito bravo, dava até medo. Percorremos a trilha até o local onde se encontravam, muitos macacos, todos com medo do maioral, que fazia o maior estardalhaço!! O aluguel dos quadriciclos sai por USD110,00 – Você pode alugar na cidade com outras empresas por USD 75,00, mas não terá acesso a estes lugares maravilhosos, a menos que os deixe no início da trilha, e caminhe o restante, pode ser uma opção, o que não deveria ser opção é ir a Bocas Del Toro e não conhecer este paraíso perdido. O almoço foi no Beach Bar, local de apoio dos Piratas, na praia Bluff, com comida bem gostoso e um ambiente super-descolado (com direito a rede sob os coqueiros).

Jantamos no Raw Fusion, na rua principal, sobre as águas novamente – Aviso : cuidado se estiver ventando... Meus óculos que estavam sobre a mesa foram parar no fundo do mar... Comemos de entrada as lulas mais macias que já comemos na vida!!! Um show!! O filet de peixe ao molho tailandês estava divino!! E o que dizer da “Banana Loca”? Melhor sobremesa que já comi na vida!! Super indico!!

Quarto dia – Saímos novamente de barco, desta vez com o Boy, recomendado pelo Jack, dono do nosso hotel – Fomos à Bahia de los Delphines, onde fomos brindados com a presença de 3 golfinhos (a experiência em Fernando de Noronha dá de 10...) – Boy passou por lugares que nos deixaram extasiados de tanta beleza – Quebradas no meio do mangue, com água translúcida, cheio de estrelas do mar e uma vegetação marinha impressionante - Daí fomos mergulhar em outro local em Cayo Coral, que foi MA-RA-VI-LHO-SO. Se eu já havia ficado encantada no outro dia, hoje então, não tenho palavras para descrever a diversidade de corais, de todas as cores. Os peixes são pequenos, mas a vegetação e os corais são surpreendentes – Depois almoçamos no restaurante Macca Bee, em Cayo Coral – Comemos lula e polvo, e estavam deliciosos – Há 4 restaurantes sobre as águas em Cayo Coral – Pode-se encomendar a comida e voltar para almoçar no final do passeio, ou encomendar a comida e tomar sol no deck, ou fazer snorkling, ou deitar nas redes no deck, enquanto se aguarda pela comida, todas elas excelentes opções. O preço dos pratos está entre USD 10 e 15, ou seja, mesmo preço que na cidade. Em seguida fomos para Zapatilla 1 – Impressionante a cor da água e da vegetação, parece que sentimos a vibração da mesma – Esta ilha tem somente a praia que a contorna, e uma vegetação densa no meio, então se resolver ir até lá sem almoçar, melhor levar seu lanche...

Jantamos pizza no Alberto´s Pizzaria, no hotel Calla Luna, frequentado pelos locais – O Alberto veio da Sardenha e trouxe consigo a receita de uma pizza deliciosa!

Quinto dia – Acordamos antes das 6h para ir surfar em Careneros – Careneros é uma pequena ilha em frente à Ilha Colon,– A travessia para Careneros em water taxi leva 5 min. e custa 1 dólar por pessoa, até o ponto central - Os points de surf são La Punta e Black Rock, e leva aprox.10min, a um custo de USD 3 por pessoa. Quando chegamos a maré estava alta e havia um pouco de vento, por isto a formação das ondas não estavam ideais em Black Rock, que é o local mais recomendado aos surfistas não tão experientes, pois é a única praia de surf na região onde o fundo é de areia e pedras, e não de corais – Além de minha filha só havia uma local na água, que comentou que as melhores condições são duas horas após a maré começar a baixar. Vento - Mesmo com estas condições as ondas em La Punta pareciam boas, com séries constantes, mas não se arrisque a entrar sem conversar com alguém que conheça o local, pois há vários recifes na região - A praia de Black Rock é bem charmosa, mas pequena e sem comércio por perto, boa para quem gosta de sossego – Aí perto fica o Restaurante Bibi´s On The Beach, onde nos disseram que se come a melhor lagosta da região. Não tivemos oportunidade de experimentar. De volta à ilha Colon, fizemos um lanche no restaurante Leaf Eaters Cafe, excelente opção se você for vegetariano!! À tarde, tomamos um barco na rua principal e fomos para ilha Bastimentos, na praia de Red Frog. O trajeto custo USD 5,00 por pessoa, mais USD 3,00 de taxa para entrar na ilha e dura aproximadamente 15 minutos – Encontrar as rãs vermelhas não é uma tarefa muito fácil, pois elas são minúsculas, mas se conseguir, vai se encantar. A natureza deste lugar também é vibrante!! A praia é muito linda. Se seguir até o canto direito (para quem está olhando para o mar), vai encontrar um mirante com uma vista bem bonita da praia!! Se tomar a rua que passa atrás do restaurante, para a esquerda, chegará na Playa Tortuga, que é lindíssima!! Esta praia pertence à um condomínio de luxo que há aí, mas se for simpático com o funcionário do bar, ele vai te oferecer uma mesa e você poderá aproveitar o dia num lugar paradisíaco. Se for fã de caminhada, continue na estrada e vá explorar as demais praias. Infelizmente nós não tivemos tempo para isto. Na volta pagamos ao condutor do barco USD 1,00 a mais por pessoa, para que ele passasse pela marina que há ali ao lado, e pudemos apreciar os barcos lindíssimos que aí estavam. À noite fomos jantar no El Último Refúgio, que é considerado pelos locais como o melhor restaurante de Bocas. A comida é realmente fantástica!! O tempero é espetacular!! O cardápio é diferente a cada dia, então não há como enjoar... Já as sobremesas, foram comuns, nada fora do normal - Recomendo chegar antes das 20h, para evitar as filas de espera.

Sexto dia – Dia da partida – Acordamos cedo e fomos para Bocas del Drago, de onde se tem acesso à Playa Estrellas, caminhando pela praia, se a maré estiver baixa, ou com barcos que fazem o trajeto em 5 minutos. A estrada do centro de Bocas até Bocas del Drago já vale a viagem – Novamente a natureza é exuberante!! A praia das Estrelas é um charme. Uma curta faixa de areia, com a vegetação chegando quase ao mar – Há vários bares de praia, simples, mas que oferecem espreguiçadeiras a serem usadas na areia, ou dentro d´água. E que mar!! Totalmente transparente e salpicado de: estrelas do mar, é lógico!! Relaxamos e aproveitamos nosso último dia de praia!! Há várias formas de chegar até lá. Pode-se contratar um taxi, por USD 35,00 e combinar o horário de ida e volta – Pode-se comprar o passeio nas agências da cidade, USD 12,00 por pessoa, ou pode-se tomar a van, que sai da praça no centro da cidade, nos horários pares, e volta nos horários ímpares, pagando USD 2,50 por cada trajeto.

Hora de partir - Há várias formas de chegar ou partir de Bocas – De avião (por volta de US$ 110 dólares), a partir da cidade do Panamá ou San José, Costa Rica – De navio, que sai da cidade do Panamá somente aos sábados, e parte de volta aos domingos (aprox. 8 horas de viagem). Há também um navio que sai de Cartagena, Colômbia, com um trajeto aprox. de 18h; dizem que é uma viagem linda!! Ou de ônibus, saindo de Bocas às 07h, chegando na Cidade do Panamá às 17h; ou saindo às 17h e chegando às 04:30h, a um custo de USD 28,00 por pessoa, mais o custo do barco de Bocas a Almirante, US$ 6,00, e o taxi do cais até a rodoviária, USD 1,00 per pessoa – Esta foi nossa opção, assim teremos um dia inteiro a mais – Aí vamos nós...

Sétimo dia – Cidade do Panamá – A cidade do Panamá parece uma cidade muito moderna, depois de passarmos 1 semana em Bocas, de vermos a pobreza de Almirante (onde pegamos o ônibus para a cidade do Panamá) e das cidades no caminho – Ficamos hospedados no centro da cidade, no hotel Best Western Zen Panamá – Passamos o dia no Albrook Mall, o maior shopping da cidade, onde encontrarão a maioria das marcas famosas – Com exceção de perfumes, que compramos a um preço muito bom na Paris (área dos Dinossauros), os demais produtos estavam com preços muito similares aos nossos no Brasil. Inclusive na Panafoto, que fica ao lado do Albrooks Malls, e que é famosa pela venda de eletrônicos, os preços não estavam atrativos para nós. À noite fomos ao Hard Rock Café – O prédio é impressionante, com uma decoração super moderna – Há 4 opções de restaurante – O de comida asiática é um charme – E há também uma discoteca, super badalada!!

Oitavo dia – Fui conhecer o Canal do Panamá, uma obra de engenharia impressionante – Fui à eclusa de Miraflores – Para ligar o Atlântico ao Pacífico, o navio precisa passar por 3 eclusas, que o elevam, ou abaixam, 26 metros, até chegar ao nível do oceano onde está indo – Esta obra foi iniciada em 1880; chegaram a trabalhar mais de 19 mil pessoas ao mesmo tempo – E inúmeras faleceram, devido à malária e febre amarela – O museu é bastante interessante; não percam o simulador, é bem divertido!

Fomos almoçar no Causeway – Esta é a área das marinas, ideal para caminhadas, e com várias opções de restaurante em frente ao mar – O skyline do centro da cidade é lindo!! Vale a pena o passeio. Aliás, o skyline da cidade fica mais lindo ainda à noite, quando você passa pela Via Costeira – De um lado está a parte antiga da cidade, com todo o seu charme, super bem preservada – Do outro, está o lado moderno da cidade, com prédios de arquitetura super moderna, verdadeiras obras de arte.

Na entrada do Causeway, tem um Centro de Artesanato, que é uma perdição!! São inúmeras lojas onde você encontra desde o tradicional chapéu panamenho (original a US$ 23, e imitações a US$ 10), até todos os tipos de artesanatos da região. O difícil é não gastar acima do planejado, com tanta coisa linda para nos tentar!!

A parte antiga da cidade é conhecida como Casco Viejo, área protegida pela Unesco – Aí está a Catedral Metropolitana, com seu altar todo revestido a ouro, e vários prédios antigos – Há várias praças, onde os restaurantes colocam suas mesas e você janta à luz de lampião – Há também várias lojas de artesanato – Imperdível!! Jantamos no restaurante Manolo Caracol, que oferece um cardápio gourmet, com 7 pratos. Há o menu normal e também uma opção para vegetarianos. Cada prato é uma nova surpresa. Escolhemos porque foi super bem recomendado em matérias que li na internet. O preço é de US$ 41,00 por pessoa, incluindo a sobremesa. Gostei de alguns pratos, de outros não tanto. Não valeu o preço. Principalmente para minha filha, que é vegetariana. Está super bem localizado, perto da Catedral, mas eu recomendaria a vocês buscarem outra opção. O motorista que passou o dia conosco, nos recomendou o Casablanca, que fica ali próximo, e onde ele disse que nunca ouviu uma única reclamação dos clientes. Fica aí a dica. Outro restaurante que eu experimentei, e este eu recomendo, é o Trapiche, na Via Argentina. Restaurante especializado em comida panamenha. O ambiente é bem simples, mas a comida é muito saborosa. Escolhi o “Fiesta Panameña”, que traz um pouquinho de várias comidas típicas do Panamá. Recomendo. Aliás, a Via Argentina tem inúmeras opções de restaurantes e bares, a rua ferve no Happy Hour e à noite.

Visitei também Panamá Viejo, que é o local onde foi construída a cidade em 1519 – As ruínas restantes não estão tão bem conservadas. A vista que se tem da cidade é bem bonita, mas seguramente, não é um passeio imperdível, a menos que você seja um grande fã de história.

Enfim, gostei muito da Cidade do Panamá, com exceção do trânsito que é um caos. Tem seu lado moderno, com lindos edifícios; o lado antigo, que é puro charme; a partir das marinas, que é puro glamour; muita área para se praticar exercícios, a grande maioria à beira mar. Espero que gostem também!!

Boston...
Colaborador nível
5.853 publicações
Equipe do TripAdvisor
Salve a resposta
1. Re: Estadia em Bocas del Toro e na Cidade do Panamá

Olá Claudia,

Bem-vinda ao fórum do Panamá. Muito obrigada por compartilhar suas dicas de viagem!

Barbara

Equipe de Suporte do TripAdvisor

2. Re: Estadia em Bocas del Toro e na Cidade do Panamá

-:- Mensagem da equipe do TripAdvisor-:-

Esse tópico foi encerrado porque ficou inativo. Ainda assim, esperamos que você participe da conversa: para isso, responda a uma discussão aberta ou comece um novo tópico.

Para rever as diretrizes de publicação nos fóruns do TripAdvisor, clique neste link: http://www.tripadvisor.com/pages/forums_posting_guidelines.html

Nós removemos publicações que não seguem as nossas diretrizes de publicação e nos reservamos o direito de remover as postagens por qualquer motivo.

Removido em: 01 de Abril de 2016, 04:16
Encontre respostas para as suas dúvidas sobre Panamá
Conversas mais recentes