O seu navegador não é compatível. O site TripAdvisor poderá não ser exibido corretamente.
Aceitamos os seguintes navegadores:
Windows: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google Chrome. Mac: Safari.

Churrascaria Majórica

Certificado de Excelência
Botafogo
Aprimore este perfil
Mapa
Satélite
A atualização do mapa foi interrompida. Aumente o zoom para ver as informações atualizadas.
Redefinir o zoom
Atualizando mapa…
Os filtros ainda estão ativos.
Não há pinos nesta área do mapa. Mova o mapa ou altere os filtros.
Como chegar
Rua Senador Vergueiro, 11/15, Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, Brasil
21 2205 - 6820
Site
Hoje
12:00 pm - 12:00 am
Fechado agora
Ver todos os horários
Horas:
Dom - Qui 12:00 pm - 12:00 am
Sex - Sáb 12:00 pm - 1:00 am
Opções: Entrega, Aberto até tarde, Reservas
Descrição: “Os animais pastam; os homens comem. Mas só o homem de espírito sabe...
“Os animais pastam; os homens comem. Mas só o homem de espírito sabe comer”. Famosa, a frase foi dita no início do século passado por Brillat-Savarin, um dos maiores gastrônomos do mundo. Mas se todas as sociedades comem para se alimentar, algumas delas acordam importância ao bem-comer. No Brasil, começamos tarde. Foi preciso a abertura dos portos, assinada em 1808 pelo futuro D. João VI, para transformar os hábitos alimentares. Os jornais publicados na Corte traziam os primeiros anúncios indicando mudanças. Mudanças na cozinha, com a adoção de artigos de cutelaria inglesa, como facas diversas. Mudanças nos serviços de mesa, com a venda de aparelhos de jantar, oferecidos de porta em porta, por viajantes recém-chegados da Europa e transportados na cabeça dos escravos sobre amplas bandejas. E no uso de talheres que vão lentamente substituindo o uso das mãos e, conseqüentemente, das bacias e jarras com as quais eram lavadas antes e depois das refeições. A mesa passa a engordar com manteigas e queijos importados, frutas secas, chocolate da Espanha, presuntos de York, bebidas finas e farinhas de trigo. O italiano Barbon, por exemplo, vendia na Rua dos Latoeiros, embutidos segundo o “uso da Itália”, ou seja, salames e codeguinos.Em meados do século XIX, casas de pasto começam a atrair a clientela masculina – mulheres não saíam de casa, só para a missa - concorrendo com a cozinha caseira. Elas se multiplicam, perto do porto e nelas, a exemplo do Hotel Royaume du Brésil – era possível comer um “beefsteack e tomar um copo de vinho” a 160 réis. Empregados circulavam servindo limonadas, claretes ingleses, Portos portugueses, cervejas suecas, a porter, que afogavam docemente, o hábito do consumo de licor de caju e cachaça. Penso nas mudanças a cada vez que piso na Majórica, ela que é parte da história de nossa cidade e de nossa alimentação. Só que inserida no capítulo “comer bem”. Freqüentada por grandes intelectuais, políticos e artistas como Caetano Velloso, Carlos Lessa, Antonio Cícero, Eucanaã Ferraz, José Neumâne, Anselmo Góis, José Mário Pereira entre outros, sua mesa é sinônimo de bom apetite, gosto harmonioso, bom humor, prazer e simpatia. Razão bastante para estar lá, sempre que se quer ser um “homem de espírito”.Mary Del Priore, cliente à muitos anos.
leia mais

Destaques dos colaboradores do TripAdvisor

Leia todas as 509 avaliações
Pontuações dos visitantes
  • 276
    Excelente
  • 175
    Muito bom
  • 38
    Razoável
  • 12
    Ruim
  • 8
    Horrível
Resumo das pontuações
  • Comida
    4,5 de 5 estrelas
    Serviço
    4,5 de 5 estrelas
  • Preço
    4 de 5 estrelas
    Ambiente
    4 de 5 estrelas
Gostoso mas caro

Possui uma das melhores carnes do rio e acompanhamentos muito bem feitos, como o arroz a piamontese, porém é bem caro e possui filas absurdas, principalmente nos finais de semana. Chegue cedo

4 de 5 estrelasAvaliou em 17 de Abril de 2015
Marcel A
Adicionar fotos Faça sua avaliação

509 avaliações feitas pela comunidade do TripAdvisor

Data | Pontuação
  • Alemão primeiro
  • Dinamarquês em primeiro
  • Espanhol primeiro
  • Francês primeiro
  • Inglês primeiro
  • Italiano primeiro
  • Japonês primeiro
  • Português primeiro
  • Turco em primeiro
  • Qualquer
  • Avaliações recentes em português
Português primeiro
Colaborador Avançado
32 avaliações 32 avaliações
19 avaliações de restaurantes
8 votos úteis 8 votos úteis
4 de 5 estrelas Avaliou em 17 de Abril de 2015

Possui uma das melhores carnes do rio e acompanhamentos muito bem feitos, como o arroz a piamontese, porém é bem caro e possui filas absurdas, principalmente nos finais de semana. Chegue cedo

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Mestre
454 avaliações 454 avaliações
377 avaliações de restaurantes
141 votos úteis 141 votos úteis
5 de 5 estrelas Avaliou em 16 de Abril de 2015

A Majórica é de longe a melhor churrascaria do Rio de Janeiro, e um dos melhores restaurantes da cidade. Tudo é sempre muito bom e bem feito, e o padrão de qualidade é mantido a cada visita, nunca decepcionando. Destaque especial para a picanha fatiada (pra quem gosta de carne de verdade, peça mal passada e aproveite), e para os... Mais 

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Brasília, DF
Colaborador Mestre
207 avaliações 207 avaliações
83 avaliações de restaurantes
83 votos úteis 83 votos úteis
5 de 5 estrelas Avaliou em 15 de Abril de 2015

A majórica é excelente. É um restaurante super tradicional especializado em carnes. Mas às quartas fazem uma paella excepcional. Recomendo !

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Avançado
47 avaliações 47 avaliações
19 avaliações de restaurantes
14 votos úteis 14 votos úteis
4 de 5 estrelas Avaliou em 14 de Abril de 2015

Tradicionalmente, uma das melhores carnes do Rio. As filas sempre existentes, a qualquer hora e dia, comprovam a fama do local!

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Intermediário
18 avaliações 18 avaliações
6 avaliações de restaurantes
8 votos úteis 8 votos úteis
4 de 5 estrelas Avaliou em 10 de Abril de 2015

Após um longo tempo ausente voltei ao restaurante. Que surpresa boa! Continua com um atendimento excelente, carne macia, deliciosa! O restaurante mantém sua decoração e também conserva o sabor dos pratos. A farofa Dolabela por exemplo, minha preferida, continua maravilhosa! Ar condicionado no ponto, chopp gelado e até a fila de espera (era feriado de Páscoa) foi organizada e rápida.... Mais 

Esta avaliação foi útil? Sim
Niterói, Rj
Colaborador Mestre
331 avaliações 331 avaliações
202 avaliações de restaurantes
93 votos úteis 93 votos úteis
5 de 5 estrelas Avaliou em 10 de Abril de 2015

Gostei muito. Carne muito bem feita. A batata é sensacional. Bom atendimento e boa relação custo benefício

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Mestre
72 avaliações 72 avaliações
68 avaliações de restaurantes
20 votos úteis 20 votos úteis
4 de 5 estrelas Avaliou em 10 de Abril de 2015

Nao tem como não ir, pedida certa: T bone , linguica , farofa Dolabela, salada verde. Melhor que muita churrascaria Argentina. Pratos bem servidos

Esta avaliação foi útil? Sim 1
Colonia del Sacramento, Uruguai
Colaborador Intermediário
15 avaliações 15 avaliações
8 avaliações de restaurantes
4 votos úteis 4 votos úteis
4 de 5 estrelas Avaliou em 6 de Abril de 2015

Sempre movimentada as vezes perde a qualidade, no serviço. Já devolvemos batatas fritas murchas, carme muito mal passada, mas sempre é bom. À noite é melhor

Esta avaliação foi útil? Sim
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Mestre
65 avaliações 65 avaliações
28 avaliações de restaurantes
32 votos úteis 32 votos úteis
3 de 5 estrelas Avaliou em 6 de Abril de 2015

A churrascaria tem muito nome e pouco a oferecer. Achei cara e mal servido. As guarnições são a parte e só a tal da picanha especial era 100,00 servindo de 2 a três pessoas. ( Pedaço pequeno e mal servido) idem a porção de arroz e farofa. Fica no centro de Petrópolis e ainda tem o agravante de ficar aguardando... Mais 

Esta avaliação foi útil? Sim
Rio de Janeiro, RJ
Colaborador Júnior
7 avaliações 7 avaliações
4 avaliações de restaurantes
2 votos úteis 2 votos úteis
2 de 5 estrelas Avaliou em 5 de Abril de 2015

Pela primeira vez nos recusamos a deixar gorgeta, o serviço foi quase inexistente. Para um restaurante que chega a ter filas na porta, e nesse dia não tinha, é indesculpável. Muito bem cotado anteriormente, é como disse meu irmão 'depois que faz fila a qualidade cai e o preço aumenta'. Até minha mãe, de 100 anos, disse: 'não gostei desse... Mais 

Avaliação recebida em parceria com Best Tables

Esta avaliação foi útil? Sim

Os viajantes que viram Churrascaria Majórica, também viram

 
Rio de Janeiro, RJ
 

Já esteve em Churrascaria Majórica? Compartilhe suas experiências!

Proprietários: qual é o seu lado da história?

Cadastre-se agora mesmo. É grátis! Receba notificações automáticas sobre novas avaliações, responda aos comentários dos viajantes, carregue fotos para o perfil do seu estabelecimento e muito mais.

Gerenciar seu perfil
Aprimore este perfil

Detalhes do restaurante

Informações de contato e local

  • Endereço: Rua Senador Vergueiro, 11/15, Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, Brasil
  • Localização: América do Sul  >  Brasil  >  Estado do Rio de Janeiro (RJ)  >  Rio de Janeiro>  > Botafogo
  • Bairro: Botafogo
  • Número de telefone: 21 2205 - 6820

Preços e cozinha

  • Cozinha: Steakhouse, Churrasco

Descrição

“Os animais pastam; os homens comem. Mas só o homem de espírito sabe comer”. Famosa, a frase foi dita no início do século passado por Brillat-Savarin, um dos maiores gastrônomos do mundo. Mas se todas as sociedades comem para se alimentar, algumas delas acordam importância ao bem-comer. No Brasil, começamos tarde. Foi preciso a abertura dos portos, assinada em 1808 pelo futuro D. João VI, para transformar os hábitos alimentares. Os jornais publicados na Corte traziam os primeiros anúncios indicando mudanças. Mudanças na cozinha, com a adoção de artigos de cutelaria inglesa, como facas diversas. Mudanças nos serviços de mesa, com a venda de aparelhos de jantar, oferecidos de porta em porta, por viajantes recém-chegados da Europa e transportados na cabeça dos escravos sobre amplas bandejas. E no uso de talheres que vão lentamente substituindo o uso das mãos e, conseqüentemente, das bacias e jarras com as quais eram lavadas antes e depois das refeições. A mesa passa a engordar com manteigas e queijos importados, frutas secas, chocolate da Espanha, presuntos de York, bebidas finas e farinhas de trigo. O italiano Barbon, por exemplo, vendia na Rua dos Latoeiros, embutidos segundo o “uso da Itália”, ou seja, salames e codeguinos.Em meados do século XIX, casas de pasto começam a atrair a clientela masculina – mulheres não saíam de casa, só para a missa - concorrendo com a cozinha caseira. Elas se multiplicam, perto do porto e nelas, a exemplo do Hotel Royaume du Brésil – era possível comer um “beefsteack e tomar um copo de vinho” a 160 réis. Empregados circulavam servindo limonadas, claretes ingleses, Portos portugueses, cervejas suecas, a porter, que afogavam docemente, o hábito do consumo de licor de caju e cachaça. Penso nas mudanças a cada vez que piso na Majórica, ela que é parte da história de nossa cidade e de nossa alimentação. Só que inserida no capítulo “comer bem”. Freqüentada por grandes intelectuais, políticos e artistas como Caetano Velloso, Carlos Lessa, Antonio Cícero, Eucanaã Ferraz, José Neumâne, Anselmo Góis, José Mário Pereira entre outros, sua mesa é sinônimo de bom apetite, gosto harmonioso, bom humor, prazer e simpatia. Razão bastante para estar lá, sempre que se quer ser um “homem de espírito”.Mary Del Priore, cliente à muitos anos.
Horários de funcionamento
Domingo
12:00 pm - 12:00 am
Segunda-feira
12:00 pm - 12:00 am
Terça-feira
12:00 pm - 12:00 am
Quarta-feira
12:00 pm - 12:00 am
Quinta-feira
12:00 pm - 12:00 am
Sexta-feira
12:00 pm - 1:00 am
Sábado
12:00 pm - 1:00 am

Perguntas e respostas

Estas são as perguntas feitas por antigos clientes e as respostas dos representantes de Churrascaria Majórica e de outros clientes
1 pergunta
Faça uma pergunta
Dúvidas? Os funcionários e antigos clientes de Churrascaria Majórica respondem às suas perguntas.
Diretrizes de publicação
Perguntas mais comuns:
  • Há opções de pratos sem glúten no restaurante?
  • Há trajes recomendados?
  • Vocês permitem que cachorros circulem pelo pátio?